.
mahouPROJECT
Nv. 163 Guilda: Tartaros Rep.: 6667200 Virgo
Nv. 162 Guilda: Fairy Chaila Rep.: 16321600 Yukino
Nv. 162 Guilda: Fairy Chaila Rep.: 10805600 Mardgeer
Nv. 161 Guilda: Fairy Chaila Rep.: 44489700 Dkaizoku
Nv. 161 Guilda: Fairy Warrior Rep.: 43150000 Kiane
Nv. 31 Capitão: Chelia Membros.: 8 Kiane
Nv. 30 Capitão: Lyonice Membros.: 8 Kiane
Nv. 29 Capitão: Lucy Membros.: 8 Kiane
Nv. 23 Capitão: Gray Membros.: 7 Kiane
Nv. 18 Capitão: Maverick Membros.: 6 Kiane
1 1 1 1 1

Fanfic: Careless

postado por Colecionador em 11 março, 2014 na categoria News Express

Demoro, mas sempre volto aqui com uma nova história! Dessa vez é uma referente ao capítulo 358 e 359, logo depois do Laxus enfrentar a Tartarus – e perder. Espero que gostem!

Casal: Laxus & Mirajane

Autora: Luud-chan

Careless

Mirajane andou a passos silenciosos e rápidos até a enfermaria, tendo a certeza que ninguém a observava. Sua respiração estava agitada e o coração batia forte no peito, enquanto o suor de evidente nervosismo descia por suas pernas e busto, causando uma sensação desconfortável.

Ela estava tão… Zangada? Não saberia dizer exatamente o que sentia, mas ao menos sabia que estava aliviada. Pensar que Laxus poderia ter morrido naquele ataque da dark guild, fazia seu estômago revirar e uma ânsia de vômito nada agradável tomar conta de si.

Já conhecia a dor da perda. Tinha sentido isso quando Lisanna tinha “morrido”, e com toda a certeza, não queria passar por aquilo novamente. Era uma das piores sensações que havia sentido e faria de tudo para que ninguém sentisse aquilo. Tudo que passava por sua mente, era como ele tinha sido tão imprudente ao ponto de engolir todo aquele veneno.

Por Deus! E se ele tivesse morrido? Claro que sabia que o dragon slayer tinha feito aquilo para salvar seus companheiros, mas não conseguia evitar que os pensamentos egoístas viessem, afinal, ela era humana e diferente do que muitos achavam, não era tão boazinha assim, além disso, era o homem que ela amava!

Como poderia lidar com isso?

Abriu a porta e constatou que Laxus estava sozinho. Fechou-a e deparou-se com a triste imagem daquele homem forte e arrogante, adormecido no leito; pálido e suado, parecendo que a vida havia se esvaído do seu corpo.

Um soluço ficou preso em sua garganta, enquanto sua mão ia em direção ao coração. Apertou os olhos com força, tentando conter aquela onda se emoções tão intensas, que a fazia querer gritar de ódio. Ficou parada ali por um instante, controlando o ritmo da respiração, para só depois de alguns minutos se aproximar hesitante da cama e sentar na cadeira pequena que ficava ali do lado.

Segurou a mão grande e calejada de Laxus entre as suas, rezando baixinho para que ele acordasse logo, para que resistisse, para que não a deixasse. Teve vontade de chorar, mas não o fez, porque tinha que ser forte. Forte pelos dois. Se ela não acreditasse que ele ficaria bem e acordaria para que continuassem juntos, quem mais o faria?

Era engraçado lembrar que até noite passada, suas mãos grandes, quentes e experientes estavam passando por seu corpo, fazendo-a soltar gemidos e suspiros de prazer, enquanto seus lábios se juntavam aos dela em uma carícia lubrica e envolvente. Lembrava-se de senti-lo sorrir entre seus lábios, enquanto apartava a pouca distância que havia entre seus corpos.

Será que se soubesse que tal tragédia aconteceria, teria dito que o amava? Será que teria dito que queria uma família e que queria envelhecer ao seu lado?

Balançou a cabeça, irritada. Como se esse tipo de pensamento fosse mudar alguma coisa naquele momento. Não deveria estar pensando nisso. Definitivamente não deveria. Ao invés de ficar com essas bobagens na cabeça, podia muito bem começar a formular boas frases para lhe dizer tudo isso quando finalmente acordasse.

— Descuidado, hein? — murmurou com um sorriso triste, sem soltar a mão dele. — Você tem que acordar, sabe disso, não… É?

Antes mesmo que percebesse, sua voz estava embargada. Teve que respirar fundo para se recuperar, não queria chorar, não podia chorar. Tinha que ser forte.

— As coisas não mudaram muito, não é mesmo? Você sempre foi assim, me fazendo ficar preocupada por causa do seu desleixo e falta de atenção. Parece que algumas coisas nunca mudam — completou em um sussurro.

Mirajane mordeu o lábio inferior e fechou os olhos com força. Sentia-se tão inútil, mesmo que tivesse recuperado os seus poderes, não tinha conseguido fazer nada. Apenas viu seus companheiros serem machucados mais uma vez, enquanto ficava ali, impotente. E só podia esperar, uma maldita espera que parecia nunca acabar, angustiante e seca.

“Se você acordar, Laxus. Eu vou dizer como eu me sinto. Com todas as letras. Então, apenas acorde”, pensou.

A maga não havia reparado, mas as lágrimas começaram a descer pelo seu rosto, ainda que tivesse prometido que não choraria mais. Apoiou a cabeça no peito musculoso e naquele momento, machucado, e soluçou baixinho, na tentativa de esconder sua própria dor. Sentiu uma carícia em seus cabelos — que inicialmente pareceu mais um puxão — e levantou os olhos azuis e lacrimejantes, aturdida.

— Eu não sabia que demônios choravam — Laxus sussurrou com a voz áspera, um sorriso de escárnio repuxando seus lábios.

Ela suspirou, aliviada e fechou a expressão, tentando conter um sorriso, pensou na promessa que tinha feito segundos atrás. Seria algum tipo de conspiração? Riu internamente.

— Talvez se você menos descuidado, essa proeza teria menos chance de ocorrer — rebateu, piscando algumas vezes, enquanto os dedos dele se estreitavam em seu cabelo. — Estúpido.

— Quanto tempo você vai demorar para me beijar? — perguntou com uma careta e Mira soube que era por causa dos ferimentos que ainda doíam.

— Você faz um ótimo papel de princesa — provocou, aproximando-se dele com cuidado e tocando-lhe os lábios com os seus.

Oh, ela esperaria um pouco mais para dizer o que precisava ser dito, afinal, esses sentimentos não mudariam e tampouco perderia a coragem, tinha feito uma promessa.

Só teria certeza que ele não seria descuidado mais uma vez e a matasse do coração.

— Descuidado — murmurou com um sorriso diabólico.